Hipster – Uma rede social que ninguém sabe pra que funciona

Milhares de pessoas por dia estão se inscrevendo para um serviço que ninguém sabe nada a respeito.

Hipster é uma nova ferramenta / serviço / rede / que promete mudar a maneira como interagimos com a nossa comunidade. Pelo menos é o que  CEO do serviço, Doug Ludlow explicou em sua resposta à pergunta que todos querem saber, na Quora.Você não vai encontrar nenhuma informação no Google. Nenhum vídeo no vimeo.

Não existe nenhuma promoção do produto. Nenhuma informação. Apenas um sinal único: a imagem inicial do site, uma cidade linda, convidativa e  anúnico de join us.

De acordo com o artigo Techcrunch, já se subscreveram no site mais de 10 000 pessoas em menos de dois dias.
Isso mesmo. 10 000 pessoas se inscreveram para um convite para participar de uma coisa sem saber o que a empresa faz. Eu me incluo.

Se quer se inscrever no Hipster, clica aqui! Quanto mais você compartilhar seu link de referência, mais rápido você conseguir um convite. Em seguida, veremos o que realmente se trata o Hipster.

A inscrição inicial conta com um único campo para digitar o seu endereço de email para esperar seu convite beta. Eles estão priorizando os convites com base no seu potencial de divulgação. Você distribui 3 convtes por meio do Twitter e Facebook, e a partir daí, quanto mais pessoas você indicar, mais chances de receber seu convite beta.

O que eu penso? Estou intrigada para dizer o mínimo.Queria poder ter o mínimo de referências para poder tentar descobrir esse mistério todo…

Anúncios

Conte sua história com seus tweets, checkins no foursquare e fotos, no Memolane

Várias pessoas desenvolveram aplicativos que mostram seu checkins em um mapa, mas o que eu queria mesmo era uma boa maneira de mostrá-los em um cronograma. Achei o Memolane, uma rede social que faz isso e muito mais, como permite contar uma história, não só com o seu checkins do Foursquare, mas com os seus tweets, mensagens no Facebook, fotos do Flickr e Picasa e outras redes sociais. O resultado é um cronograma muito bem projetado, fácil de navegar e visualmente interessante.

O Memolane atualmente serve pára unir toda as suas informações compartilhadas nas suas redes sociais e criar um cronograma. Você pode navegar pela sua história recente ou percorrer todo o caminho de volta , desde o seu início nas redes sociais. Os serviços são fáceis de adicionar ou remover as configurações, suporando atualmente:  Facebook, Twitter, Flickr, Picasa, Last.fm, Foursquare, TripIt, Youtube e feeds RSS.

O que me chamou a atenção foi a questão privacidade: ou você se fecha totalmente ou abre para o mundo a sua vida online. Nada de meio-termo.

Talvez a característica mais útil Memolane, no entanto, é a função “Stories”. Ele permite que você selecione apenas as atualizações que você deseja incluir que contam uma história específica. Como se você criasse um cronograma de uma recente viagem ou até mesmo, um dia de trabalho, da sua casa até o escritório, com suas passagens pelo shopping ou encontro com os amigos em um bar.

O acesso ao Memolane é feito a partir de um convite particular.

Este vídeo explica o conceito por trás da rede social:

http://vimeo.com/16474788

Surfando o sofá de um estranho – A dinâmica do CouchSurfing

De todas as redes sociais que eu participo, sem dúvida alguma o CouchSurfing (Surfando o sofá) é a que eu tenho menor participação do interesse do site, que é fornecer um sofá. Explico melhor.

Enquanto o Orkut pergunta “Who do you know?”(Quem você conhece?), o CouchSurfing é muito mais poético, verdadeiro, convidativo e caloroso: “Got Couch?” (Precisa de Sofá?). [essa frase é do Bruno.]

O CouchSurfing é uma  rede social que permite que os integrantes peçam hospedagem nas casas de colegas da rede com o intuito de aprender sobre as culturas dos locais que visitam, enquanto ensinam seus guests sobre sua cultura. Como o meu couch está indisponível, eu não recebo guests, mas às vezes encontro o pessoal nos meetings semanais.

A dinâmica do CS é bem parecida com a do Orkut e Facebook. O viajante monta seu perfil, posta suas fotos e começa a fazer as buscas por um sofá disponível. O usuário pode aceitar ou não recebê-lo. Se ele não responder o pedido de couch, vai ficar visível aos usuários. O design é impecável, além da integração com o Google Maps durante a bsuca por couch. Essencial para quem faltou as aulas de Geografia.

Existem  ferramentas de proteção com o objetivo de preservar a segurança dos integrantes, que informam se seu couch está vago ou não. Os inscritos no projeto devem comprovar endereço e são avaliados por outros usuários por meio de comentários e vouchers que indicam quão confiável é o usuário. Caso o integrante seja “negativado” por 3 usuários, quem acessa a sua página é avisado do risco que pode estar correndo.

De acordo com pesquisas feitas pelo CouchSurfing com seus usuários, 99,6% dos encontros promovidos pelo site foram considerados positivos. E hoje, no universo dos viajantes, é cada vez mais comum encontrar pessoas que caem na estrada, não gastam um tostão para dormir e ainda fazem grandes amigos.

Mais estatísticas sobre o CS

Se você quiser conhecer mais sobre o projeto, assista a entrevista que o Alberto (embaixador do CouchSurfing em São Paulo) deu ao programa Urbano, do Multishow.