100 anos da Paramount

Para comemorar o 100 º aniversário, a Paramount Pictures reuniu 116 dos maiores talentos de sempre a trabalhar no estúdio. A foto foi publicada no site da Vanity Fair. Bem bacana!

Imagine só como foi complicado organizar essas celebridades!

O resultado final foi essa foto:

A imagem abaixo nos ajuda a recordar os grandes nomes da Paramount durante estes anos!

Sem-teto são transformados em pontos de internet wifi nos EUA

Hotspots oferecidos pelos sem tetos. Essa ideia sensacional é da agência BBH New York.

Os participantes do SXSW Interactive, em Austin (EUA), puderam conhecer e testar o serviço 4G oferecido pelos sem-teto, pagando a partir de $2 dólares para 15 minutos de navegação.

Eu achei super bacana. Ao invés de roubar, matar ou se prostituir, eles viraram garotos-propaganda da BBH e de quebra, ganham um dinheirinho. Nos EUA a discussão é intensa.

Todos os rendimentos pagos para o acesso vão diretamente para a pessoa que vende o acesso, via paypal.

Saiba mais aqui

Como seria viver a vida digital nas ruas?

O comediante Nico Muhly saiu às ruas em London para divulgar seu novo show.

Nico agiu nas ruas como se estivesse online: Deu like nos objetos, postou mensagens no mural das pessoas, poke nas pessoas, follow nas pessoas e pedindo “amizade” a quem encontrava nas redondezas do London Coliseum.

Assista o vídeo:

Google exibe vídeo em cadeia nacional na TV dos EUA com apoio à causa gay

Em apoio ao projeto It Gets Better, que combate o preconceito a jovens gays, o Google veiculou um vídeo com dicas de como as pessoas podem participar do movimento enviando seus próprios vídeos ao site. O apoio foi ao ar no intervalo do seriado Glee, da Fox, demonstrando suporte em cadeia nacional ao projeto, fato que nunca havia ocorrido desde que o jornalista Dan Savage começou uma campanha através do YouTube. Ponto para o Google.[fonte]

Atualmente mais de 5 mil vídeos já foram criados a divulgar esta mesma mensagem. Celebridades, de Chris Colfer do Glee ao presidente Barack Obama uniram-se à causa e até empresas como a Pixar, Google e Facebook já deram o seu apoio, mostrando o poder de uma boa causa para mobilizar o user generated content.

Confira o vídeo:

O dia em que o Migre.me parou

O encurtador de URLs mais famoso do país e 100% brasileiro ficou offline após uma transferência de servidor que deveria ter sido concluída em meia hora, na madrugada do dia 31 de agosto. Mas o tiro saiu pela culatra. Criado em 2009, o Migre.me já contabilizou mais de 10 milhões de usuários.

A empresa que hospedava o Migre.me  colocou os arquivos e o seu backup em uma mesma máquina, e agora eles estão tentando recuperar os dados. Como se você fizesse um backup de arquivos (que você não quer perder, óbvio) de um pc, para este mesmo pc. Ou seja, em bom português, se o computador der pau, você está fudido.

O criador do Migre.me, Jonny Ken, publicou um vídeo explicando o que aconteceu com o encurtador e se mostrou muito emocionado. Fiquei com dó. Ele até chorou…

Abaixo ken até faz piada e agradece o aopio dos internautas. O Migre.me está a salvo!

Aos poucos Jonny e sua equipe estão reparando os danos e informando os usuários através do Twitter. Mas a boa notícia é que já foi recuperado uma boa parte dos arquivos e o Migre.me está online novamente! rs

Direito de privacidade na Internet – Seu nome e o Google

Nos últimos dez anos, o tema “privacidade” ganhou novos significados devido a disseminação das tecnologias da informação. São essencialmente três os fenômenos que vem contribuindo para uma maior preocupação com o tema:  a estruturação de uma base de dado, que abriu a possibilidade de se cruzar informações facilmente, montando perfis detalhados de qualquer pessoa que tenha algum dado online;  a popularização da internet (e claro, do acesso à tecnologia), que culminou com a inclusão digital, estimulando praticamente a todos a manterem as suas informações online; e, finalmente, a padronização de equipamentos e sistemas, o que facilitou a aquisição de informações mantidas por usuários de informática, inclusive sem o seu conhecimento. Basta dar um Google e você terá acesso a praticamente tudo o que cita seu nome online.
Até onde vai o direito à privacidade na Internet? A nossa Constituição Federal estabelece, como direito básico da pessoa o direito à
privacidade:

“Art. 5º …………………………………………………………………………………………………………………………………….
………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito
a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;
…………………………………………………………………………………………………………………………………………=….”.

Nada como a exposição que a internet nos proporciona. A rede é mundial e o fato poderá ser divulgado em escala nunca antes alcançada por outros meios de comunicação de massa.

A  maioria das pessoas não tem a noção exata do que acontece quando postamos uma simples foto com os amigos em um site de relacionamentos. Eu mesma não tinha até um tempo atrás. Dei um Google no meu nome e até foto de biquíni minha apareceu. Consegui com que a pessoa deletasse. O Google acaba sendo o seu currículo online não autorizado. E um possível contratante ao ver isso, de certo vai desistir de você.

Entrei em contato com o administrador do site Gosto de Ler para deletar um antigo perfil. Minha reação à resposta do indivíduo foi de raiva. Ele simplesmente respondeu: “Infelizmente não tem como”. Como não tem como? Qualquer site é obrigado a apagar informações pessoais se o usuário pedir. Enviei outro email e estou aguardando que eles o façam.

A privacidade deve ser estendida ao direito de controlar de que forma as informações sobre você serão usadas por outros. Não se esqueça de checar o controle de privacidade de suas páginas na internet. Caiu na rede, é peixe.

Mas o que é a tal de Mídia Social?

O que um profissional de mídias sociais precisa mostrar para seu futuro contratante? Um currículo bem escrito, recheado de grandes (frustradas ou não) experiências e… ser um heavy user de Internet. Mas como colocar sua experiência em mídias sociais no cv? Quase impossível. Acredito na individualidade e obviamente, no networking. No social media world, “Você é aquilo que você compartilha”.

As redes sociais já recebem visitas de 18,5 milhões de pessoas no Brasil num único mês (IBOPE//NetRatings, Maio 2008) – quase 50% do número de usuários brasileiros que acessam a Internet por qualquer meio (cerca de 41 milhões de pessoas).

Certa vez me candidatei a uma vaga de Social Media Manager. A empresa pedia um candidato formado em Comunicação, inglês fluente e usuário de mídias sociais. Ok – eu pensei. Mas como seria meu cv? Enviaria meu link do Meadicione.com e, então, estaria no páreo?

Mas o que é a tal de Mídia Social?

Para alguns basta um perfil no Orkut. Para outros algumas intervenções em blogs e postagens no twitter bastam.

Mídia Social vai muito além. Posso dizer que o jornalzinho que eu fazia durante o ensino médio com alguns amigos do colégio era uma mídia social. O mural onde colocávamos fotos das viagens em turma ou recados dos professores era mídia social. Ambos informavam. E eram um tipo de comunicação feito por pessoas.

Mídia: qualquer meio de comunicação em massa, nesse caso, a Internet 

Social: qualquer coisa que o homem possa fazer

Ou seja; mídia social: ferramentas de comunicação utilizadas por pessoas. E feitas por pessoas. Quer ser um especialista em mídia social? Colora por fora das linhas. Escreva mais posts do que você costuma fazer, escreva mensagens curtas. Ignore todas as regras. Compartilhe. E o principal: saiba o que isso significa.

Por Polyanna Rocha

[tweetmeme source=”Polyanna Rocha” http://www.twitter.com/polyannar%5D