GAP: nova logomarca derrubada pelos consumidores nas redes sociais

A Gap, famosa marca de roupas californiana,  anunciou em sua página no Facebook que  seus esforços para o novo design do logotipo foram derrubados, principalmente por uma corrente de críticas que veio principalmente de usuários do Facebook e do Twitter.


Na semana passada, Gap lançou um novo logotipo, que chamou de “uma expressão mais contemporânea, moderna”. Clientes  não estavam tão entusiasmados com a mudança, e então a Gap decidiu solicitar aos usuários para suas ideias de um novo logotipo. No entanto, esse curso de ação foi revertida, também.

“Ok. Nós ouvimos alto e claramente que vocês não gostaram do novo logotipo. Aprendemos muito com os comentários “, disse a empresa em sua página no Facebook. “Nós só queremos o que é melhor para a marca e nossos clientes. Então, ao invés de crowdsourcing, estamos trazendo de volta esta noite a antiga logo”. De acordo com o site da Gap, o logotipo original fará seu retorno “em todos os canais.”

A reação contra o novo logotipo da Gap (e já extinto) foi  intenso. Além dos milhares de tweets e atualizações do Facebook estado de ridicularizar a sua concepção, as pessoas encontraram outras maneiras criativas de protesto contra o novo logotipo. Uma conta  falsa no Twitter reuniu milhares de seguidores, e o logo Gap se tornou um viral.

Enquanto a mídia social não foi a única razão que a Gap se sentiu pressionada a reverter para o antigo logo, que definitivamente foi um fator importante. As mídias sociais mobilizados e espalhar a palavra sobre a mudança do logotipo. Neste caso, a empresa ouviu seus clientes e quis evitar uma reação negativa dos consumidores com proporções maiores das já tomadas.

Anúncios

Carta aberta aos usuários do Sistema de Saúde de Conselheiro Lafaiete.

Esse post foi CENSURADO através de email e telefone, mas vou deixá-lo aqui.

“Posso não acreditar em uma palavra que dizeis, mas defenderei até a morte o direito de expressá-la”- Voltaire


Recebi muitos emails de revolta e apoio o qual vou postar aqui nos próximos dias. Não identificarei o remetente. Aproveito para confirmar que a família não quer nada além de alertar outras famílias de Lafaiete.

Hoje, dia 5 de outubro, o estado de Lea Rocha continua gravíssimo, piorando a cada dia. Entregamos sua vida a Deus e que Ele faça o melhor. Mas não vamos nos calar. Nenhum tipo de ameaça vai nos fazer calar.

Aos que nos chamaram de hipócritas, mentirosos e “arruaceiros”, que Deus ilumine suas famílias e que NADA parecido aconteça. O seu telhado também é de vidro.

_________________________________________________________________________________________________________

Você já teve ATENDIMENTO NEGLIGENCIADO e/ou até NEGADO em caso de emergência?

Leia COM ATENÇÃO e por favor reecaminhe para a sua lista.

É uma benção poder contar com um plano de saúde. Principalmente quando ele funciona. Segundo dados da ANS, menos de 25% da população brasileira pode contar atendimento de planos de saúde. É pouco em vista de um país com uma população de 192 milhões de habitantes. Em uma cidade onde o SUS não funciona (porque por experiência própria, existem sim, cidades onde o sistema funciona), é inadmissível que uma pessoa IDOSA que paga o plano de saúde em dia, desde 02/04/2004, atualmente no valor de R$418,52 (considerando ainda que é um plano participativo) não seja atendida em caso de urgência/ emergência com eficácia.

RECORTES DA VIDA REAL:


No dia 24 de setembro por volta das 08:00 horas, Léa Clemente da Rocha (75 anos) deu entrada no PA da Unimed CL com suspeita de AVC. Encaminhada para o Hospital e Maternidade São José ela foi prontamente atendida pela plantonista Dra Valeria (pneumologista) que pediu, após exames iniciais, uma tomografia que rapidamente foi providenciada na Image Diagnose. Em pouco tempo a paciente pode retornar à Maternidade, onde ficou na emergência esperando vaga em leito hospitalar até por volta de 12:30 horas.

Às 13:30 horas, Mara que é psicóloga hospitalar e sobrinha da paciente chegou na Maternidade e comprovou que a mesma não estava sendo assistida para o evento o qual sofreu, recebendo apenas hidratação venosa e reposição de oxigênio. Foi informada que a paciente havia sido encaminhada pela Dra Valéria para a neurologia. Dra. Valeria antes de finalizar o seu plantão, informou por telefone ao Dr. Miguel Réche o caso clínico, pois o mesmo não se encontrava mais no hospital. Ele recusou retornar para assumir o caso ainda na sexta-feira. Mara, por volta das 15:45 horas conseguiu fazer contato via celular com Dr. Miguel, pois havia dúvidas até mesmo no uso da medicação de rotina de Léa, já que a mesma é portadora de Parkinson e arritmia cardíaca. Não havendo êxito na tentativa de que o médico viesse ao hospital para avaliar a paciente vítima de AVC isquêmico já há OITO HORAS, tentou-se adequar as orientações do neurologista. Ele mandou que fosse administrado os medicamentos para Parkinson, só que a sobrinha informou que a paciente não estava deglutindo nem mesmo a saliva. Dr. Miguel disse que então era para esperar a avaliação dele, que aconteceria somente no sábado.

Como que a família poderia permitir que uma paciente nessas condições clínicas ficasse sem atendimento adequado por mais de 24 horas, sendo que o AVC poderia repetir e complicar ainda mais o quadro?

Mara buscou insistentemente pela emergência do hospital… Por volta das 18:00 horas a paciente foi avaliada pelo então plantonista Dr. Múcio que prescreveu uma sonda nasogástrica para administração da medicação parkisoniana  e digoxina trazida de casa pela familia  e  a pedido dos familiares foi requerido exames de sangue e raio-x.

Enquanto isso, Polyanna, também sobrinha da paciente, tentou contato com os médicos neurologistas associados UNIMED, sem sucesso. Ligou para a Assistência Social da UNIMED CL às 17:15 horas e ninguém atendeu. Um funcionário do PA UNIMED CL disse que ela não conseguiria falar com ninguém porque todos já deveriam ter ido para casa. A secretária do neurologista Dr. José Augusto informou que ele não poderia entrar na Maternidade São José por motivos éticos, afinal a obrigação de assistência era do “colega” Miguel Réche. Que ética médica é esta que permite que uma paciente fique sem atendimento adequado por tantas horas? Polyanna buscou por outros neurologistas na região e constatou que Dr. Miguel estava de sobreaviso em Ouro Branco. Já que ele não se dispunha a vir até a paciente foi decidido em família transferi-la para a FOB, “levá-la até o doutor”, principalmente depois de informar o resultado detalhado da tomografia para um médico da família, que orientou que a paciente precisava de cuidados urgentemente.

Mara e Cirilo (outro sobrinho de Léa) procuraram pelo Dr. Múcio para que ele providenciasse os encaminhamentos necessários. Ele se recusou dizendo que seria antiético transferir a paciente do “colega” Miguel. Mas uma atitude de omissão e negligência em nome da ética médica? Porque além do “colega” Miguel ainda não ter comparecido para assumir o caso clínico e então a paciente manter-se sob a responsabilidade do plantonista (Dr. Múcio), ele também representava a Diretoria Clínica do hospital. Depois de ser lembrado dos direitos que a família tem, assim como os deveres que lhe cabia dentro de tal contexto, Dr. Múcio disse que organizaria o processo de transferência e se retirou para a recepção do hospital. Devido ao seu comportamento dissimulado, descompromissado e manipulativo frente ao desespero da família e a piora do quadro clínico da paciente (oscilação de glicose e pressão arterial), a família optou em informar ao Dr. Múcio que estava chamando a polícia militar para registro de um boletim de ocorrência. A polícia militar em poucos minutos compareceu ao Hospital e Maternidade São José.

MUDANÇAS DE PARADIGMAS:

Após conversa com os policiais, por volta de 19:00 horas, Dr. Múcio informou aos sobrinhos Mara e Cirilo que tudo estava resolvido. Tinha feito contato telefônico com o Dr. Miguel que estaria vindo atender/avaliar/assistir a paciente Léa Clemente da Rocha em quadro de AVC desde às 07:30 horas. Depois de tanto estresse, até que ponto a família poderia confiar que o DESCASO POR ACASO ou por pressão SERIA SUBSTITUÍDO POR ASSISTÊNCIA COM QUALIDADE E EFICÁCIA? ASSISTÊNCIA PAGA mensalmente e em dia, há anos…

A família decidiu pela transferência da paciente e por garantia de que as coisas realmente se resolvessem, ofereceram o próprio celular para que o Dr. Múcio fizesse contato de médico para médico com o plantonista da FOB (Dr. Ricardo, que já tinha sido informado sobre o teor dos acontecimentos pelo Dr. Rogério – anestesista, que também estava de plantão no referido hospital e é amigo da família). Enquanto esperavam a confirmação do leito para transferência, surge o Dr. Miguel Réche. Disponível, educado e decido propõe que a família o acompanhe ao leito da paciente. Justifica que conseguiu resolver todos os seus empecilhos que o impediam de vir assumir o seu papel junto a Sra. Léa. Então, a examinou minuciosamente e conclui que a situação não era só alarmante, era grave mesmo. O AVC era de origem cardíaca devido a uma arritmia com aumento considerável do tamanho do órgão, a condição respiratória era decadente e havia presença de secreção nos pulmões. Dr. Miguel pediu imediatamente avaliação clínica pelo plantão, que por já passar das 19:00 horas, estava sob a responsabilidade  da Dra. Silvana. Ela confirmou a gravidade do quadro geral da paciente e concluiu que se tratava de um encaminhamento sem mais demora para o CTI.

Graças a Deus ou graças à presença da polícia, existia uma vaga no CTI daquele ambiente de assistência à saúde, pois a paciente estava em risco de morte sem condiçoes de ser transferida. Dra. Silvana permaneceu o tempo todo ao lado da paciente até ela ser levada ao CTI (era cerca de 20:30 horas), monitorando atentamente o quadro por ter consciência que a Sra. Léa poderia PARAR  a qualquer momento, ali mesmo, naquele leito hospitalar onde não foi tratada com o devido respeito que merecia e que tem direito.

A paciente encontra-se em ESTADO GRAVE no CTI do Hospital e Maternidade São José.


A família em estado de repúdio decidiu registrar e divulgar estes fatos, porque a Sra. Léa Clemente da Rocha tem pessoas a sua volta com formação, conhecimento e coragem de gritar e lutar por ela. Infelizmente e com certeza, MUITOS TÊM SIDO SILENCIADOS NOS CORREDORES E LEITOS HOSPITALARES PELA FALTA DE COMPROMETIMENTO ÉTICO E HUMANO DE DETERMINADOS PROFISSIONAIS QUE PRECISAM DA PRESENÇA DA POLÍCIA PARA RELEMBRAREM O CONTEÚDO DE SEUS JURAMENTOS EM NOME DA SAÚDE.

Conselheiro Lafaiete, setembro de 2010.

FAMILIARES E AMIGOS de LÉA CLEMENTE DA ROCHA